28 de maio de 2018

Homilia de Dom Paulo na Ordenação Diaconal do seminarista Edson Delfino


HOMILIA: (Ordenação Diaconal do seminarista Edson Delfino)
“Eis o meu servo que eu sustento” (Is 42,1)

– Saúdo neste momento o Excelentíssimo e Reverendíssimo Dom Aldo Gerna, Reverendíssimos e amados filhos Presbíteros, Religiosos e Religiosas, Seminaristas, autoridades constituídas ou representadas e todo povo santo de Deus. No Ano do Laicato, reforço aqui a minha saudação a todos os leigos e leigas, que amam esta Igreja e se dedicam no anúncio do Evangelho. Aos Queridos ouvintes da Rádio Kairós e demais meios de comunicação social, a minha saudação.

– No espírito dos 60 anos de caminhada de fé em nossa Diocese, com o tema IGREJA PROFÉTICA E MISSIONÁRIA A SERVIÇO DA VIDA e com o lema: A MISSÃO CONTINUA, saúdo de modo particular e especial o diácono eleito, Edson Delfino, juntamente com todos os seus familiares. Obrigado aos pais por doarem este filho à Igreja.

– A ordenação está acontecendo no dia 26 de maio, mês dedicado a Maria, virtudes da Mãe, que brotam no coração do Edson em sua Ordenação Diaconal e no coração de todos nós. O sim de Maria e sua obediência ao Pai nos levam a compreender o dinamismo de uma Igreja em saída, com o olhar de mãe, acolhendo em seu colo todos os filhos e filhas sem exclusão. Trazer para o coração da ação pastoral, além do amor paterno, o espírito de maternidade, uma Igreja maternal mais próxima, acolhedora, flexível, amorosa, geradora e comprometida com a vida. Parece utopia, mas esta deve ser a tarefa permanente em nossa missão. Que maravilha aos olhos de Deus e aos nossos olhos poder celebrar a Ordenação Diaconal do jovem Edson, neste mês tão especial.

– Querido filho Edson, ao escolher ou proclamar o seu tema “Eis o meu servo que eu sustento” (Is 42,1) é abrir as portas do coração e se permitir compreender o que significa dizer sim ao Senhor e quais as implicações deste sim. Percebe-se claramente o clamor de um menino que se coloca carinhosamente nos braços do Pai, como um filho que deseja ser cuidado e alimentado por Ele.

a) O primeiro alimento que lhe sustenta é o AMOR de Deus. Deus é amor, por isso lhe ama e lhe convida a fazer o mesmo: amar.
b) O segundo alimento que lhe sustenta é o CHAMADO A VIDA, que Deus lhe concedeu e lhe concede ainda hoje.
c) O terceiro alimento que lhe sustenta é o CHAMADO A VOCAÇÃO ESPECÍFICA. E você possui total liberdade para fazer a sua escolha (dizer SIM ou NÃO).
e) Caso a resposta seja SIM, o quarto alimento que lhe sustenta é o ENVIO, que Deus lhe faz hoje.
f) O quinto alimento é a sua missão, ou seja, o seu ministério. Deus lhe sustenta na missão.

– Amado Edson, a compreensão do termo DIÁCONO pode ser um caminho à vivência plena do tema escolhido e como aprimorar a virtude da diaconia na arte do servir, viver e amar, ajudando a sustentar os que nos inspiram tantos cuidados.

– Como já mencionei em outras ordenações, a palavra “diácono” vem de uma palavra grega (diakonos), que é encontrada aproximadamente 30 vezes no Novo Testamento, que significa “atendente” ou “servente”. Aquele que serve.

– Em 1Timóteo 3,8, Paulo diz o seguinte: “Os diáconos igualmente devem ser dignos de respeito, homens de palavra, não inclinados à bebida, nem ávidos de lucros vergonhosos. Conservem o mistério da fé com consciência limpa. Pois aqueles que exercem bem o diaconato, conquistam lugar de honra e também muita coragem na fé em Cristo Jesus (cf.1 Tm 3,8-13).

– Na Igreja Católica possui o primeiro grau do Sacramento da Ordem, sendo ordenado para o serviço da caridade, da proclamação da Palavra de Deus e da sagrada liturgia. Compreendido em duas naturezas: Diaconato transitório, são homens que se ordenam em vista da ordenação presbiteral (é o caso do Edson hoje); e o Diaconato permanente, são homens casados que se consagram ao Senhor, para o serviço da caridade no seguimento a Jesus Cristo.

– Seguindo as orientações do magistério da Igreja, fazendo com que o povo compreenda melhor, convém refletir sobre algumas funções próprias, a que o diácono é chamado a exercer na Igreja. Fortalecido com o dom do Espírito Santo, o diácono deverá ajudar o Bispo e seu Presbitério no serviço da Palavra, do altar e da caridade, mostrando-se servo de todos.

– Como ministro do altar, irá proclamar o Evangelho, preparar o altar para o santo sacrifício e repartir entre os fiéis o Corpo e o Sangue do Senhor. Além disso, por mandado do Bispo, poderá exortar e instruir na sagrada doutrina, os fiéis que creem, mas também os que não creem em Jesus Cristo.

– Poderá ainda presidir às orações, administrar o Batismo, assistir e abençoar os Matrimônios, levar a Eucaristia aos agonizantes, enfermos e demais pessoas impossibilitadas de participarem da missa e oficiar as Exéquias. Exercer com afinco o serviço da caridade em nome do Bispo ou do Pároco.

– Querido filho EDSON, em sua condição de Diácono, isto é, de ministro de Jesus Cristo, que se manifestou como servidor dos seus discípulos, cumpre generosamente a sua vontade, e na caridade serve com alegria tanto a Deus quanto aos homens e mulheres deste mundo.

– Procure acolher as sábias e ricas palavras contidas na segunda leitura escolhida para sua ordenação. Não desanime no exercício do seu ministério que está recebendo da misericórdia divina. Rejeite todo procedimento dissimulado e indigno, feito de astúcias. Procure não falsificar a Palavra de Deus. Pelo contrário, manifeste a verdade… “Nós não pregamos a nós mesmos, pregamos a Jesus Cristo, o Senhor. Quanto a nós, apresentamo-nos como servos vossos, por causa de Jesus. Com efeito, Deus que disse: do meio das trevas, brilhe a luz. Trazemos esse tesouro em vasos de barro, para que todos reconheçam que este poder extraordinário vem de Deus e não de nós” (Cf 2 Cor 4,1-2.5-7). Seja você também Edson, esta luz a brilhar, reconheça que acima de você e com você está aquele, que é maior e que lhe sustenta na missão. O Deus que lhe tomou pela mão e lhe chamou para a justiça. Para abrir os olhos aos cegos, tirar os cativos da prisão, livrar do cárcere, os que vivem nas trevas, conforme ouvimos na primeira leitura de hoje. (Is 42,1-4.6-7). Você está sendo ordenado em meio há uma greve nacional, liderada pelos caminhoneiros, bem próximo há uma paralisação nacional (a luta vai além do valor do combustível e deve ser assumida por toda a população brasileira contra a corrupção). Como caminhar na contra mão e ser uma voz profética, lutar pela justiça, frente a esta situação?

– No Evangelho escolhido por você, para este momento tão especial, o próprio Jesus lhe ensina como viver o seu ministério pautado no amor: ”amem-se uns aos outros, assim como eu amei vocês. Não existe amor maior do que dar a vida pelos amigos. Vocês são meus amigos, se fizerem o que eu estou mandando” (Jo 15,12-14). “Não foram vocês que me escolheram, mas fui eu que escolhi vocês”.

– O mandamento do amor, querido Edson, não é simplesmente um exercício de “voluntarismo”, mas uma resposta de amor a quem nos amou primeiro, a quem nos apaixonou com sua vida e sua proposta de vida para todos.

– Na última Ceia, Jesus se faz servo e convida a cada discípulo também a se tornar servo. Mas tarde, em João 15,15, Ele dá um grande salto, além de servo, é necessário que o discípulo se torne também amigo do mestre. Um colaborador, parceiro, confidente, com reciprocidade de amor nas relações, comunhão de vida, planos, projetos e ideais. “Já não os chamo servos, porque o servo não sabe o que o seu senhor faz. Em vez disso, eu os tenho chamado amigos, porque tudo o que ouvi de meu Pai eu tornei conhecido a vocês” (Jo 15,15). Ninguém tem maior amor do que aquele que dá a vida pelos amigos! O servo na compreensão de escravo recebe ordens sem explicação, ele deve simplesmente obedecer às ordens do seu senhor. Os amigos entram em nossa intimidade. Aos amigos se fazem confidências. Jesus quer que sejamos iguais a ele e não meramente servos.

– Só no diálogo entre amigos é que se compreende a plenitude do amor, o porquê tantos homens e mulheres ao longo da história humana têm entregado e continuam entregando sua vida em fidelidade a Deus e aos seus irmãos e irmãs. Hoje, você Edson, se entrega por amor, para amar e servir. É fundamental estabelecer cotidianamente uma relação de intimidade com Jesus, através da oração e da escuta da palavra.

– No espírito dos 60 anos de caminhada de fé, o coração de nossa Diocese de São Mateus entoa alegremente cantos de louvor e ação de graças pelo seu sim. Acredito em você meu jovem e lhe vejo como grande força na ação pastoral de nossa Diocese, principalmente com a nossa juventude. Não deixe a beleza estética ou outros elementos subirem à cabeça e atrapalhar sua vocação. Administre sua vida na humildade, sendo um homem da esperança e do perdão. Tenha firmeza na missão, mas não perca a docilidade, a ternura e a misericórdia do Pastor no jeito de acolher e amar os fiéis, principalmente os pobres.

Que São Mateus e Maria Mãe da Igreja, intercedam a Deus, para que tenha um ministério feliz, fecundo em graças e bênçãos. Amém!

     DOM PAULO BOSI DAL’BÓ
BISPO DIOCESANO

Logo-Santuario