Artigos

19 de outubro de 2017 | Categoria:

A ALEGRIA DO EVANGELHO PARA UMA IGREJA EM SAÍDA


Cosme da Rocha
Seminarista e acadêmico do 2º período de Filosofia do Centro Universitário Católico de Vitória

A alegria do Evangelho para uma Igreja em saída

“Uma igreja fechada a si empobrece o mandato missionário deixado por Jesus”.

O ser humano sempre buscou meios para ter satisfações pessoais. Mas, no complicado processo de alcançar tais metas, infringiu limites, quebrou paradigmas e aniquilou o outro. Não respeitou o mínimo no seu semelhante e principalmente no diferente. A humanidade desprezou muito em não cuidar da natureza, das relações sociais, de sua história e logo, inúmeras foram as consequências. A tão sonhada “alegria” oferecida pelo mundo foi o oposto desejado por Deus.

Nunca se permitiu tanto meios para se ter uma felicidade. Mas qual? Esta momentânea, indiferente, pessoal, egoísta? As ferramentas tecnológicas tentam servir de esteios para garantir esta alegria, porém quando não são usadas para a promoção da vida passam a ser geradoras de uma cultura do descartável, passageiro e supérfluo. Segundo Aristóteles, “a felicidade não se encontra nos bens exteriores”, mas na condição inata do homem de querer o bem. A Campanha Missionária 2017 nos motiva a viver no hoje a alegria de ser missionário, indo até as periferias em que as “atuais felicidades” não conseguem chegar. A felicidade sonhada por Deus é para todos, não para um grupo restrito.

As ações das Pontifícias Obras Missionárias iniciadas em 1926 pelo Papa Pio XI nos impulsionam a sair do comodismo tão pregado atualmente, na perspectiva que tudo é permitido, segundo as vontades de cada um, mediante as suas necessidades particulares. Uma igreja fechada a si empobrece o mandato missionário deixado por Jesus (Cf. Mt 28,19) “Qual é o fundamento da missão? Qual é o coração da missão? Quais são as atitudes vitais da missão?”, questiona o Papa Francisco e diz: “A missão da Igreja é animada por uma espiritualidade de êxodo contínuo”. Trata-se de “sair da própria comodidade e ter a coragem de alcançar todas as periferias que precisam da luz do Evangelho” (EG 20). (…) A missão adverte a Igreja de que não é fim em si mesma, mas instrumento e mediação do Reino”.

A missão é o rosto alegre de uma Igreja caridosa com seu povo. O Papa Francisco em “Amoris Laetitia” relata que “Se não alimentamos a nossa capacidade de rejubilar com o bem do outro, concentrando-nos sobretudo nas nossas próprias necessidades, condenamo-nos a viver com pouca alegria”. Portanto, a felicidade não é causa da ação do outro exclusivamente, mas do desejo de cada um em fazer diferente sua realidade social. Sendo assim, somente com esta alegria vinda do Senhor é que alcançaremos aquilo proposto pelo Mestre: salvar quem está perdido!

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

A alegria do Evangelho. Disponível de: <http://w2.vatican.va/content/francesco/pt/apost_exhortations/documents/papa-francesco_esortazione-ap_20160319_amoris-laetitia.html.
Acesso às 23h06, 15 Out 2017

Campanha Missionária 2017. http://www.pom.org.br/wp-content/uploads/2017/07/apresentacao-campanha-missionaria-2017.pdf
Acesso às 22h50, 15 Out 2017

Mensagem de sua Santidade Papa Francisco para o dia mundial das missões em 2016. Disponível de https://w2.vatican.va/content/francesco/pt/messages/missions/documents/papa-francesco_20160515_giornata-missionaria2016.html
Acesso às 23h11, 15 Out 2017